Diego Lopes e o Prêmio Açorianos

Na edição da Zero Hora do dia 23/03, me deparei com uma matéria apontando semelhanças do cd de estréia do compositor Diego Lopes com a obra do norte-americano Ben Folds, argumentando que o mesmo sofra uma desclassificação do Prêmio Açorianos.

Enquanto produtor do cd, eu sempre soube da afinidade entre os dois trabalhos,
já que conheço bem a obra do Ben Folds Five, mas nunca achei que isso pudesse acarretar algum problema, já que as melodias do Diego Lopes são originais.

Na matéria da ZH temos a sugestão que Diego deveria ter citado Ben Folds no encarte do cd. No entanto, não me recordo de ver textos explicativos nos discos do Led Zeppelin dizendo “nossa obra está baseada” em Howling Wolf, Bert Jansch, Albert King, Willie Dixon…ou mesmo no projeto paralelo do Green Day, Foxboro Hot Tubs, citando no encarte Kinks, Who e Monkees.

Estamos falando de primeiro disco de um compositor jovem, buscando a sua identidade, baseando a sua criação em artistas com estéticas que o influenciam.

Eu aposto as minhas fichas no talento do Diego e sei que o tempo mostrará o que ele pode oferecer como um compositor autoral.

Esta entrada foi publicada em Novidades. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

5 respostas a Diego Lopes e o Prêmio Açorianos

  1. Bravo, professor! Referências todo mundo tem, e plágio é outra coisa.

  2. Luis Alberto disse:

    Luciano,
    Honestamente, sem maldade e com todo o respeito.
    O que meus olhos me permitem ler e o que os meus ouvidos me permitem ouvir, não se trata de APENAS uma influência específica sobre um trabalho.
    Cistaste alguns exemplos, e tens toda a razão, no contexto da tua analogia.

    No entanto o trabalho deste rapaz, nas faixas que foram explicitadas, ou em quase todas elas, reflete, no meu entendimento, uma cópia de sentido lírico, e em algumas, de harmonia.
    O rapaz VERSIONOU algumas canções do autor supracitado. Factualmente, no meu entender.
    O que de maneira alguma é errado, desde que necessariamente vinculado.

    Se o Zeppelin e outros casos similares, não tiveram a ética de citar sua “Fonte”, não vejo motivo para relacionar com este caso e assim, deixar de faze-lo.
    A nivelação intelectual não deve ser vítrea. As péssimas posturas não devem ser repetidas, independentemente da grandeza dos infratores.

    Ainda mais, se como dizes, o compositor além de capaz e talentoso, esta em início de carreira e buscando sua identidade.
    Um auxílio maduro e coerente, se faz necessario.
    Que sirva de aprendizado funcional e objetivo. Afinal, a arte é o mais importante.

    • lucianoalbo disse:

      Luis, o assunto da matéria da ZH foi questionar a legitimidade do Diego como compositor e a sua indicação ao Açorianos. A categoria originalidade ainda não foi criada. Tenho total conhecimento do quanto os arranjos de um modo geral foram baseados na obra do Ben Folds.

      Me desculpa, mas citar fontes e ser “ético” nunca fizeram parte da história da música, e te digo, a lista é longa.

      Peço para qualquer expert acadêmico me apontar meia dúzia de compassos com a mesma melodia e/ou harmonia no cd do Diego, e daí conversamos sobre plágio.

  3. Cida Pimentel disse:

    Luciano, eu fiquei com uma peninha dele, vão massacrar este guri. A falta de assunto nessa nossa cidade destrói muitas vidas… Fico feliz de ter tu pra escrever sobre o fato.

  4. Brazilgrass disse:

    Aqui no meu caderno diz que Diego Lopes produzido por Luciano Albo é coisa que deixaria o Ben Folds com inveja.
    Ou orgulho, ou ambos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *